COZINHANDO

Se eu acho que precisa de mais água, fica empapado. Se eu acho que já está cozido, vai cru para a mesa. É, sou uma negação na cozinha. Não sei, não gosto. Há alguns anos, pensei que precisava aprender a cozinhar, e fiquei um ano sem empregada. Sobrevivemos, eu e os filhos. Sérgio não almoçava em casa, então ele estava a salvo. Passado o ano de experiência, voltei a ter uma pessoa para cuidar do que vai para a mesa todos os dias. Que alívio! Para mim e para os que comiam minha gororoba.

Sempre viajamos muito, então as férias da empregada coincidiam com as nossas. Este ano, porém, as coisas mudaram. Apenas uma saída rápida em janeiro. Dani ficou, então a Maria José não tirou férias junto conosco. No mês passado, ela falou que queria viajar, queria tirar os 30 dias a que tem direito. Pânico! E, para agravar a situação, agora o Sérgio almoça em casa.

Bem, o que não tem remédio, remediado está. Lá se foi a Maria José descansar, não sem antes combinar com uma das amigas dela para vir duas vezes por semana fazer faxina e cuidar da roupa. Já é um alívio imenso! A comida, porém…

Mas, acredita que até tenho me saído bem? Vou inventando umas coisas, juntando um pouco disso e daquilo. Hoje, estava programado: macarrão com atum. Fui pegar o atum e… nada de atum. Sumiu, desapareceu, escafedeu-se. Cheguei na janela do escritório do Sérgio e comuniquei:

– Agora a vaca foi pro brejo. O atum acabou!

Flávia, que ontem tinha dito que ia inventar alguma coisa hoje, voltou atrás. E lá fui eu. Afinal, sou ou não sou a rainha do lar?

Lembrei-me de um bacon que estava no freezer. Bacon, milho, requeijão, maionese, creme de leite = molho de macarrão. Massa cozida, molho por cima. E não é que deu certo?

O fato é que a gente aprende a fazer as coisas. Deus nos criou inteligentes. Duvido que um dia vá ter a culinária como um hobby. Sei lá, pode até acontecer. Acontece cada coisa na vida da gente! Mas, mesmo que nunca venha a gostar, o fato é que fico feliz de ver que sou capaz de misturar umas coisas, colocar na panela e encher a barriga da família. Será que algum dia vou ter que fritar bife? Isso eu nunca fiz…

Para ser totalmente honesta, há um prato que eu faço, que faz sucesso na família. Falei sobre ele em outro post, O macarrão da tia Cláudia. Quem sabe vai surgir, neste mês na cozinha, outro prato que vai ficar tão famoso quanto ele?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s