MONGA

Início da década de 80. Minha experiência de aterrorizar criancinhas vem de longe. O local, Playcenter. Éramos quatro adultos, a Cristina adolescente e a Clarice, com 8 ou 9 anos.
Brincamos muito. Rodamos, pulamos, rimos a valer. Sérgio gritou pela mãe dele na montanha-russa. Bem, já era noite, estávamos cansados, tínhamos ido a todas as atrações.
Clarice participava de tudo, em sua animação característica. Os adultos e a adolescente, com a maior boa vontade, viraram crianças de novo. Clarice estava de maria-chiquinha, muito bonitinha.
De repente, vimos: Monga, a mulher-gorila! Clarice logo avisou:
– Eu não quero ir!
E foi acompanhada por um coro de protestos, todo mundo falando ao mesmo tempo:
– Larga de ser boba! Deve ser legal. Acho que parece com aqueles trens-fantasma que nem dão medo. Eu quero ir. Você é chata, a Monga deve ser legal.
Voto vencido, lá foi ela, muito a contra-gosto. Para ser honesta, preciso confessar que também não estava muito animada, não. Mas, naquele tempo, eu ainda não tinha assumido minhas pequenas e irrelevantes fobias.
Era uma sala pequena, toda fechada e escura. Apagaram as luzes e acenderam uma luz negra. Ficamos com aquela cara de caveira. E começou o, digamos assim, show.
Uma mulher horrorosa, com biquini horroroso de oncinha, fazia uma dança horrorosa num palco horroroso, numa tentativa horrorosa de parecer sexy. Uma voz cavernosa ia avisando que a mulher se transformava em gorila, por isso estava atrás das grades. Sim, ela estava em uma jaula horrorosa. Clarice, agarrada em mim, com um medo horroroso.
Os sons foram ficando mais altos, o homem falando da transformação, alertando para o perigo, mandando a gente manter silêncio absoluto para não irritar a mulher-gorila. De repente, lá estava um gorila imenso, batendo no peito e urrando como King Kong. Claro que a plateia gritou, Clarice e eu nos agarramos mais e o homem alertou:
– Não gritem, ela vai se descontrolar e aí, a jaula não a conterá!
Nem bem ele acabou de dizer isso, a Monga destruiu as grades. Clarice partiu, rápida como um raio, para a saída. Na escuridão, a gente começou:
– Cadê a Clarice? Gente, ela me soltou! Clarice!
Ninguém ouvia nada, por causa dos urros horrorosos da Monga. Num lapso de bom senso, pensei que a Clarice deveria ter saído. Quando deixei o lugar horroroso, lá longe ia minha irmãzinha, zunindo pelo Play Center, com as maria-chiquinhas pulando. Os outros também tinham saído, e começamos a correr atrás dela. Ouvindo o barulho, ela pensava que era a Monga atrás dela e corria mais.
Por fim, conseguimos alcançá-la. Todos esbaforidos, precisamos segurar, porque ela queria fugir mais ainda. E só dizia:
– Eu DISSE que eu não queria, que estava com medo!
Nós não tivemos condições de dizer nada. A verdade é que ficamos bem aliviados de ter a desculpa de correr atrás dela para podermos sair daquela atração horrorosa.
Bem, fica aí mais uma ideia para assustar criancinhas. E garanto que o medo fica para sempre. Até hoje ela tem horror a Mongas. Ou seja, esse é um modo bem eficiente de deixar a criancinha traumatizada para sempre.
Desculpe aí, viu Clarice?

3 comentários sobre “MONGA

  1. HAHAHAHAHAHAHAHA!!!!!!!!!!Estamos chorando de tanto rir……kkkkkkkkClaudia, morremos de rir com seus textos….são ótimos!!!!!Claudio e eu estamos passando mal….kkkkkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s