MAMÃE, A GUERREIRA

Em outrubro, como já foi comentado aqui neste blog, meu pai foi operado para a colocação de uma prótese no quadril. Edgar, médico, nosso amigo, comentou que jamais tinha visto um osso em situação tão terrível quanto o do papai. Com isso, falou que a dor que ele vinha sofrendo há muitos anos era indescritível, inimaginável. E repetiu, várias vezes:
– O senhor é um guerreiro. Um guerreiro. Aguentar tudo isso… é um guerreiro.
Bem, meu papai está em pé. Locomoção com ajuda apenas de um andador. Ainda sente muita dor. Afinal, falta “consertar” o quadril e o joelho direitos. De toda forma, hoje ele foi e voltou a Luziânia dirigindo seu próprio carro novo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

“Como agradecer a Deus todo o bem que tem feito a nós ?”
Mas não é sobre meu pai que vou escrever hoje. É sobre a Guerreira, minha mãe.
Papai sempre foi o protetor. Ele sempre cuidou de tudo que era chato (não foi por acaso que me casei com o Sérgio). Papai dirigia, controlava a parte incômoda dinheiro e deixava a boa – gastar – para nós, sempre foi com minha mãe ao mercado, acompanhou a médicos e dentistas, atendeu os chamados dos filhos durante a noite, enfim, sempre cuidou da mamãe de todas as formas possíveis.
Ela sempre teve os Domínios Angelicais (não eram apenas Angelais). Nossa casa sempre foi perfeita. Tudo feito a hora e tempo, com a maior eficiência possível. Não foi fácil, mas ela sabia que o papai estava a postos, para cuidar dela.
Só que a artrose o deixou dependente. A coisa se inverteu. Cada vez mais, ela precisou assumir tarefas que detesta: cuidar de contas bancárias, fazer pagamentos, dirigir o carro, tomar a frente ao chegar em hospitais e clínicas para fazer exames, ajudar fisicamente o papai a se movimentar pela casa, levar na cama tudo de que ele precisava, ir ao mercado sozinha, e assim por diante, e, ainda por cima, enfrentar a parte pior dos dias mais difíceis, em que a dor era maior, ou ele tinha alguma reação adversa a medicamentos que o deixavam completamente “doidinho”. Além disso, a dor não permite que ele durma bem há muito anos, e, claro, ela também não dorme. Precisa se levantar várias vezes, todas as noites, para atender qualquer necessidade dele, seja ir ao banheiro, tomar água, tomar um comprimido ou comer um biscoito. 
Apesar de não dormir, as atividades dela durante o dia não sofrem qualquer abalo. Continua a fazer tudo com a mesma eficiência de sempre. Creio firmemente que só na eternidade saberemos, de fato, todas as lutas pelas quais ela tem passado nesses anos todos.
NUNCA a vi se queixar. Já vi declarar o tanto que sente por ele passar por tudo isso. Já vi momentos de cansaço, de esgotamento, tristeza, aflição. Na esmagadora maioria do tempo, no entanto, vi cuidado, amor, carinho, desdobramento. Na verdade, não sei como ela encontra forças para fazer tudo que faz.
Bom, eu sei: ela encontra forças em Deus.
Eu jamais acordei antes da minha mãe. Aliás, só uma vez: íamos para BH, o voo era muito cedo, ela dormiu aqui em casa, e o despertador tocou no meu quarto.
Em todos os outros dias da minha vida, ao acordar, já encontrei a mesa do café pronta, e ela já tinha lido a Biblia e orado.
Eu poderia prosseguir por muitas linhas, descrevendo tudo que minha mãe fez e faz. Mas sei que o que já contei dá para ter uma ideia. Grande privilégio ter essa mãe. E, na verdade, o Edgar deveria dizer:
– Dona Ângela, a senhora é uma Guerreira. A senhora é a verdadeira guerreira, sem a qual o guerreiro teria desistido de lutar há muito tempo.

Sou profundamente e totalmente grata a Deus por ter essa guerreira como mãe. E espero conseguir ser um pouco parecida com ela. Tarefa difícil, mas, quem sabe eu consigo alguma coisa? Afinal, exemplo eu tenho…

Um comentário sobre “MAMÃE, A GUERREIRA

  1. Claudia,Admiro muito sua mãe e seu pai. Durante alguns anos viajamos até Luziânia todos os domingos a tarde para servir na igreja daquela comunidade, juntamente com o Geba. D. Ângela era considerada a única mulher da diretoria da Sociedade de Homens, com direito a voto e veto, sem esquecer que tínhamos também uma contribuinte especial, a D. Ábia. Essas viagens foram de grande aprendizado para mim e agradeço a Deus pelo convívio riquíssimo com seu Albileo e D. Ângela e ainda por cima ríamos muitíssimo com as estórias e bom humor do dois. Parabéns D. Ângela, seu fã Sérgio Gonçalves.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s