SUPER CLÁUDIA x VENDEDORES(AS)

Poucas categorias de pessoas me irritam tanto quanto vendedores mal treinados. Para ser justa, muitos nem têm culpa, é a filosofia de trabalho do patrão que os torna insuportáveis.
Quando eu vou fazer compras, ao contrário do que acontece com muitas mulheres, eu já não estou lá muito empolgada. Não gosto de fazer um montão de compras, acabo cansada. É, a tal falta de energia tem lados positivos. Além disso, sou altamente introspectiva, ou seja: gosto de ficar eu comigo mesma, sem ninguém me atrapalhando. E isso fica ainda mais exarcebado quando vou fazer compras e eu e eu mesma precisamos conversar sobre o que vamos adquirir.
Mas, fala sério, há certo treinamento de vendedores que foi criado especificamente para me irritar. Alguém me estudou e decretou: vou fazer exatamente o que impedirá que pessoas como a Cláudia façam compras nas minhas lojas.
Vou dar um exemplo. Quero comprar óculos escuros. Sei exatamente o que quero: tipo aviador, com aro fino, lente preta bem escura. No domingo, depois de almoçar no Pier, vi uma loja Chilli Beans. Bem na entrada, o display com os óculos do tipo que quero. Eu e Sérgio entramos. Eu nem tinha me aproximado direito e já se materializou do meu lado uma chata de galocha (o que aparece em itálico é o que tive vontade de dizer, mas só pensei):
– A senhora precisa de ajuda?
– (Se você me deixar em paz já será uma grande ajuda.) Não, obrigada, quero ver estes óculos.
– São modelo aviador.
DRRRRRRRRRRRRRRR
São inspirados nos modelos Ray-Ban.
– Você acha que sou burra, alienada, ou o quê?
Eu tentava mexer nos óculos, para experimentar alguns. A criatura, plantada na frente do espelho (o que, óbviamente, me impedia de ver minha linda pessoa com os óculos no rosto), ficava dando pitaco:
Esses são lindos, com lente marrom.
Eu quero preta.
Ali na outra estante eu tenho outros, com o aro mais grosso.
Quero destes, bem fininhos.
– Mas os outros vão ficar lindos na senhora.
– Ai, como sofro!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Volto outra hora.
A senhora me procura, meu nome é XYZ.
– Volto nunca, e de preferência no dia da sua folga. 
E fui embora. Sérgio que já me conhece já muuuuiiiiiiito tempo, saiu rindo da minha irritação.
O que aquela vendedora “excelente” não sabia é que eu IA comprar os óculos e, talvez, um relógio branco. Ela me enxotou da loja. Raramente eu entro em uma loja sem intenção de comprar uma coisa. Se não pretendo comprar, não entro. Simples assim.
Eu gosto de andar em lojas sem ninguém na minha cola. Um dos lugares em que mais compro é na J.C. Penney, uma loja dos Estados Unidos (aliás, dona Obama também gosta). Não é chique. Tem um monte de araras. Encontro tesouros ali, sem ninguém a me chatear. Quando preciso de ajuda, sempre há alguém por perto, mas ninguém a deduzir que sou burra, nem que não sei fazer minhas próprias compras e preciso que me guiem por todas as etapas.
Eu conheci a vendedora ideal. Trabalhava na Arezzo, há muitos anos. Pena que não decorei o nome dela, porque poderia prestar, agora, uma homenagem pública.
Antes de saber que sofria de depressão, os períodos em que eu estava em crise, que me deixavam totalmente sem energia, eram conhecidos em família como “mal-estar generalizado”. Nas piores situações, dizíamos que eu estava “generalizadíssima”. Cristina inventou isso, por causa de “infecção generalizada”.
Eu estava generalizadíssisssisssissima. Meus filhos ainda não dirigiam, estudavam à tarde, e eu os deixei no colégio. Resolvi ir ao shopping me arrastar por lá, em vez de voltar para casa e me jogar na cama.
Estávamos preparando uma viagem para os Estados Unidos. Passando na vitrine da Arezzo, vi uma bolsa de viagem muito bonita, que seria ideal para levar na mão.
Entrei na loja e fiquei olhando. A vendedora se aproximou:
– A senhora precisa de ajuda?
– Não, obrigada, estou só olhando.
Andei pela loja à vontade. Ela não me mostrou nenhum lançamento, não veio com aquelas conversas de “aquela da novela” que são as que me fazem fugir da loja como se tivesse um tsunami atrás de mim. Odeio coisas “iguais à da novela”.
Cansada (lembra, eu estava generalizadíssima), sentei. Ela me ofereceu ajuda. Perguntou se eu estava me sentindo bem, se queria água. A água eu aceitei. Quando ela trouxe, falei que estava olhando aquela mala, mas estava desanimada demais para comprar. Ela falou que, se eu quisesse, podia ficar sentada onde estava, que ela traria a mala e tudo mais que eu pedisse para ver.
Recostei no sofá. Ela trouxe mala, mochila, bolsa, sapato. Saí de lá com tudo. Na hora de pagar, falei para ela:
– Acho que você é a melhor vendedora que já encontrei. Eu cheguei aqui me sentindo tão mal, que não tinha forças para comprar nada. Olha o tanto de coisa que você me vendeu.
– Eu vi que a senhora estava passando mal. Melhorou?
– MUITO!!!!!
Fui embora feliz da vida. Ainda sem energia, mas super contente com minhas compras.
Pensando bem, felizmente a maioria das vendedoras se parece com a da Chilli Beans, porque se elas fossem como a da Arezzo eu estaria ferrada.
Olha eu aí, toda chique com meu vestido que comprei sem ninguém me incomodar na J.C.Penney:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s