HILÁRIO (2) – Santa Ceia

Examinando o conteúdo de meu blog, cheguei à conclusão de que falta um cenário mais solene. Vamos, portanto, a um domingo de Santa Ceia na Igreja Metodista da Asa Sul.

Procurei uma foto que mostrasse o templo todo, mas, por incrível que pareça, não tenho. Domingo que vem eu tiro! Mas essa aí serve aos propósitos, já que os fatos narrados ocorreram nessa plataforma. Dá para ver que, atrás dos cantores ha uma mesa, que é onde ficam o pão e o vinho (que chamamos os elementos) para a Santa Ceia. Nos bancos azuis bem ao fundo, o Coral. O templo é grande, a entrada é bem ampla.
Pastor Euler tem um zelo extremo pela celebração da Ceia. Na Igreja Metodista, as pessoas vão até o altar para pegar os elementos. Quando não há muita gente, todo o ritual é feito com as pessoas ajoelhadas no altar. Mas, com um grupo grande, isso fica inviável. Assim, no domingo de manhã, pastor Euler convidava três casais para o ajudarem a servir os elementos. Ficavam um à esquerda da plataforma da foto, outro à direita e o terceiro atravessava todo o templo e se colocava à porta dos fundos, para servir as pessoas sentadas mais atrás.
Certo domingo, fomos convidados eu e Sérgio, Nucha e Maurício e Célia e Jezreel.
Abrindo parênteses, preciso informar uma característica que eu e Nucha compartilhamos e, para isso, vou contar outro fato, ocorrido anos antes dessa noite de Santa Ceia. Estávamos em um jantar. Eu e Nucha sentadas juntas, e mamãe na mesma mesa. De repente, uma mulher levou o maior tombo, bem na nossa frente. Observei meu prato, como se ele fosse a coisa mais maravilhosa do mundo. Nucha fez o mesmo. O marido da mulher, todo sem jeito, puxava a mão da coitada e dizia para ela levantar e ela:
– Mas tá doendo!
Eu e Nucha firmes, olhando os pratos. Mamãe não aguentou e soltou:
– Cláudia tem um probleminha…
Eu e a Nucha explodimos na gargalhada, as lágrimas escorriam pelo rosto, manchando a maquiagem. O probleminha é que não posso ver ninguém cair, eu rio de chorar. E o mesmo acontece com a Nucha. Não é só cair. Qualquer “mal feito” nos faz cair na gargalhada.
Bem, voltemos à noite solene. Pastor Euler, com sua toga toda bordada, nós, mulheres, chiques no úrrrrtimo. Sérgio, que canta no coral, estava com a beca. Ficamos todos por trás da mesa, de frente para a congregação, com o coral às nossas costas. Tudo muito bonito. Pastor Euler seguiu todo o ritual, e chegou à parte em que primeiro tomam a Ceia os que vão servir. Então, entregou o pãozinho e o suquinho para a gente e falou:
– Comamos e bebamos, etc, etc.
Imediatamente, Sérgio… engasgou com aquela quantidade mínima de suco e pão. Mas engasgou feio. E tentava não tossir. Eu tive um ataque de riso, como poucos em minha vida. Nucha, do outro lado dele, não ajudava em nada, também se dobrando de rir. O pessoal do coral, atrás do Sérgio, batia nas costas dele, oferecia água, e o coitado a tossir, se sacudindo todo. E eu e a Nucha nos sacudíamos de rir.
Durante todo esse tempo, a congregação estava em pé, olhando para nós. Eu olhava para o chão, tentando me controlar. Quando achava que tinha conseguido, via os amigos olhando para nós e rindo também, e caía na gargalhada de novo. Pastor Euler, Célia e Jezreel, do outro lado, não entendiam o que estava acontecendo com as doidas que não paravam de rir. E o pastor teve a péssima ideia de mandar que eu e Sérgio fôssemos para a entrada da igreja. Atravessei todo o corredor sacudindo o pãozinho, de tanto que ria, enquanto o Sérgio ainda tossia. Só identificava no meio daquele mar de gente os meus amigos, rindo da minha cara. Lembro bem da Sílvia, sacudindo a cabeça e dizendo que eu não tenho jeito mesmo.
A fila para servirmos era imensa. Parecia de cumprimentos depois do casamento. Cada vez que o Sérgio tossia, ou que um dos amigos mais chegados se aproximava, eu caía na gargalhada de novo.
De alguma forma, conseguimos terminar o ritual. Saí do templo quase correndo, e ri até perder as forças. Quando chegamos em casa, meia hora depois, Sérgio ainda estava tossindo do engasgo. Explicamos ao pastor o que tinha acontecido, mas, não entendo por quê, ele nunca mais nos chamou para ajudá-lo na Ceia…

2 comentários sobre “HILÁRIO (2) – Santa Ceia

  1. Pingback: 23) ESTA NÃO PODIA FALTAR | claudiazillerfaria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s