COMO APRENDI A ASSUSTAR CRIANCINHAS

Morar em Brasília no início da década de 60 foi um privilégio. Tínhamos os confortos das cidades grandes e as delícias das pequenas. Até hoje eu acho que morar aqui é um privilégio. Por mais que conheça outros lugares, nunca encontrei nenhum com a qualidade de vida de que desfrutamos.
E não me venham dizer que todo mundo em Brasília é ladrão e rouba do contribuinte. Os que roubam são os que os moradores dos outros estados mandam para a gente aqui. Nós trabalhamos honestamente, como os cidadãos de todos os outros lugares.
Mas vamos ao que interessa: assustar criancinhas.
Naqueles primeiros anos em Brasília, surgiam histórias apavorantes, que iam passando de boca em boca e criavam uma verdadeira histeria coletiva.
A primeira de que me lembro foi A Loura. Era uma mulher, obviamente loura, que havia sido assassinada. Em busca de seus assassinos, ela aparecia a toda hora, por toda parte. A preferência da Loura era surgir atrás de você, no espelho do banheiro. Que medo a gente passava! Na escola, corriam as histórias das aparições da Loura. Foram meses de sofrimento por causa dessa criatura sobrenatural.
Depois que a Loura caiu no esquecimento, surgiu a história mais pavorosa de todas. Nasceu um bebê. Era o bebê mais feio que já existiu na face da Terra. Nem o médico se conteve ao ver o coitadinho e falou:
– Mas que bebê feio!
Com voz cavernosa, o recém-nascido declarou:
– Muito mais feia vai ser a tempestade do dia 7!
E morreu imediatamente.
Estávamos ensaiando para o desfile do dia 7 de setembro, e todas as crianças de Brasília acreditavam que morreriam afogadas na tempestade do dia 7. A gente comentava o assunto baixinho na escola, não tinha nem coragem de contar para os pais. Coitados, iam morrer todos e nem sabiam! Foram dias de pavor. Tá rindo, né? Mas vem aí o dia 7 de maio. Cuidado! O bebê não teve tempo de especificar o mês nem o ano.
Mas o meu aprendizado sobre susto em criancinhas se completou em um acontecimento politicamente incorretíssimo. Vou contar assim mesmo. Morávamos na SQS 308, reservada a funcionários do Banco do Brasil. A todo momento do dia, uma infinidade de crianças povoava os parquinhos, os espaços embaixo dos blocos. A gente brincava de amarelinha, pular elástico, andar de bicicleta, patins ou patinete, jogar finca, futebol, queimada e tudo mais que se possa pensar. Ah, claro, ela, a imaginação, corria solta.
Um dia, surgiu um anão. Foi um pandemônio. Crianças assustadas, nos reuníamos em grupos para nos defender do homem. O pior foi que ele começou a aparecer todo dia por ali. Surgiram as histórias. Ele sequestrava crianças, que nunca mais eram vistas (ninguém se deu ao trabalho de explicar como ele as carregava, já que era menor do que a gente). O medo do anão tomou conta da SQS 308. Ele surgia de um lado, as crianças davam um jeito de desaparecer pelo outro. Estávamos todos apavorados.
Certa tarde, estávamos em casa, mamãe costurando no quarto dela, quando alguém tocou a campainha. Naquele tempo, não havia interfone, e a gente nem ao menos trancava as portas de casa. Eu fui atender, sem espiar pelo olho mágico. Era assim que a gente fazia. Quando abri a porta, PAVOR DOS PAVORES: lá estava o anão! Na porta da minha casa!
Bati a porta e saí correndo para o quarto. Lembro, como se fosse hoje, da mamãe perguntando:
– O que aconteceu? Por que você está branca assim?
– Oooooo aaaaaannnnnnnãããããoooooooo!!!!!!!!!
Ela foi lá. O coitado estava recolhendo donativos para alguma associação de caridade, ou vendendo livros, ou alguma coisa semelhante.
Depois desse dia, eu recebi meu certificado. As aulas práticas estavam concluídas. Eu já sabia exatamente o que fazer para assustar criancinhas. Como meus posts anteriores sobre o tema mostraram, eu concluí o curso com louvor!!!!

2 comentários sobre “COMO APRENDI A ASSUSTAR CRIANCINHAS

  1. Nossa, currículo bem vasto…No meu tempo de criança tinha a sabrina que saia do vaso pra matar as pessoas que fossem ao banheiro a noite… Isso eu devia ter uns 5/6 anos, por volta de 95/96… Pois é passei noites em claro querendo fazer xixi e sem poder chegar perto do banheiro… Tenta essa também! HAhahaha

  2. Muito bom. Amei a crônica. Li, com carinho o texto, e, verifiquei que tudo que vc coloca aki neste blog é muito interessante e edificante. Parabéns pelos registros e relatos. Deus continue te abençoando e te inspirando.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s