PUXA, ESTICA, ALISA, DIMINUI, AUMENTA

Na última semana, esclareci uma dúvida que me acompanhava há muito tempo: por que muitas pessoas que começam a alterar sua aparência através de cirurgias aparentemente não conseguem mais parar?
Não digo que aconteça com todo mundo, mas é um fato bem comum. O exemplo máximo, claro, é Michael Jackson. Por que ele não parou de alterar o rosto nos anos 80, quando era um belo rapaz? Evidente que o nariz dele ficou bem melhor depois de um certo “trato”, assim como o cabelo. Mas o cara não se controlou e virou um verdadeiro ET.
Mas eu entendi o que acontece. Eu tinha duas áreas de meu corpo que me incomodavam muito. Sempre que me aproximava do espelho, as ditas regiões agiam como verdadeiros ímãs, atraindo minha atenção. Depois de tomada a decisão de operar, ficava imaginando qual seria o resultado, que milagres o bisturi realizaria. De toda forma, 90% de meus pensamentos frente ao espelho eram dedicados aos “problemas” e às soluções que se aproximavam.
Hoje, uma semana depois da cirurgia, seria de esperar que eu me olhasse no espelho e ficasse admirando o que foi consertado. Aliás, quero registrar o excelente trabalho que o dr. Humberto realizou. Estou satisfeitíssima com o que ele fez, e olha que ainda estou inchada e com regiões bem roxas. Admiro, sim, mas uma coisa interessante acontece: brotaram, em uma única semana, outros problemas bem sérios no meu corpo. Surgiram do nada… A barriga cresceu de repente e minhas bochechas caíram. Acho que o médico fez isso durante a cirurgia, enquanto eu estava anestesiada. 
Triste essa fixação no que não está do jeito que a gente quer. Não tenho problemas sérios de auto-estima, e sei que não vou começar a me operar todo dia para virar a Vera Fischer de 20 anos atrás. Mas entendo, agora, um pouco mais, o que leva tantas pessoas a dependerem emocionalmente de um cirurgião plástico… Ah, e pode esperar, Bloguinho, daqui a uns dias, quando meus olhos não estiverem mais amarelos e inchados, vou postar fotos de antes e depois. Quanto aos seios, você terá que esperar o dia em que a Playboy publicar.

EU E A DILMA

Não sei bem como, mas acabei virando elite. Na verdade, sou povo. Muito povo. Os pais de meu pai eram imigrantes italianos. Meu avô materno, pastor. Meu pai, funcionário do Banco do Brasil. Meu marido, empresário que luta todos os dias para manter sua empresa funcionando. Trabalha literalmente de sol a sol, porque quando dorme tem pesadelos sobre falência. E como virei elite?
Por um simples fato: não voto no PT. Nessa última eleição, não me empolguei. Serra não seria o candidato de minha preferência, mas, para ser franca, não há candidato de minha preferência. Admiro FHC, mas isso se deve mais à sua capacidade intelectual do que à sua atuação política. Comentando sobre sua experiência no Planalto, o ex-presidente falou: “O Planalto é uma coisa, a planície, outra. Na planície você é promovido a povo”. Gostei disso. PROMOVIDO. Ser povo é muito melhor. Todos somos povo. Todas as cores de pele e cabelo, todos os níveis sócio-econômicos. A presidente e a faxineira. Por algum motivo, povo virou sinônimo de pobre.
Estou divagando. O que me levou a escrever hoje foi nossa presidente. Como deixei claro, não votei nela. Não simpatizo com ela. Devo revelar que isso vem do nada. Ela nunca me ofendeu. Inclusive admiro a luta dela contra a ditadura. Admiro qualquer pessoa que tenha tido coragem de se levantar contra aquele horror.
Hoje, entretanto, ela é minha presidente. Foi eleita pela maioria do povo brasileiro. Esse povo de verdade: todos, sem classificações e estratificações ridículas. De agora em diante, torço por ela. Em minha fé, já comecei a orar por ela, pedindo sabedoria, força, autoridade, amor por nós, povo. Ela tem meu respeito, pois é a autoridade máxima em nosso país. Torço para que ela faça um governo excelente. Como entendo que o país é feito por todos nós, trabalharei no sentido de ver o Brasil crescer. Quem sabe, no governo dela, todos acabemos virando elite. Se eu virei, qualquer pessoa pode virar também.
Sendo assim, nossa presidente Dilma Roussef poderá contar comigo naquilo que for fazer para o bem do maravilhoso povo do Brasil!