SOBRINHAS – POPÓ

Eu queria uma foto da Popó comigo, mas o Felipe não deixa… Como foi ele que começou a chamá-la de Popozinha, nem posso ficar brava.
Paula nasceu no mesmo dia que Flávia e Daniela, 10 anos depois. Minha sogra tem três netas, que fazem aniversário no mesmo dia. E não foi planejado, porque Popó nasceu de parto normal, no dia que ela decidiu que queria nascer.
Quando era pequena, ela era birrenta como poucas. Há uma história engraçada. Eliane e Ribeiro viajavam com ela e Gui, de carro. Bastava o Gui olhar para ela, que ela começava a chorar, espernear, gritar, enfim, já deu para entender.
Os pais já não aguentavam mais. Um era implicante, a outra, birrenta. Ribeiro acelerou o carro. A viagem TINHA que acabar. De repente, um guarda o parou por excesso de velocidade. Ele saiu do carro e foi logo dizendo:
– Eu sei que estava correndo, mas vou ser sincero. Preciso chegar logo ao hotel, porque ninguém mais aguenta essa menina chorando o tempo todo.
Enquanto isso, a confusão corria solta dentro do carro. O guarda olhou bem, fez uma pausa, e falou:
– É, amigo, essa sua menina é fogo mesmo. Mas não corre tanto, não, manera um pouco.
E liberou o Ribeiro sem multa.
Queria que o tal guarda encontrasse com a Popó hoje. Ia ficar babando. Além da beleza óbvia na foto ali em cima, ela é um doce. Todo mundo gosta dela. Até o Gui.
Já contei que Zu e Zi vão fazer intercâmbio, e ontem falei para ela nem pensar no assunto. Mas ela foi logo dizendo que quer também, já foi falando com o pai e tudo. Nem sei porque toquei nesse assunto, o pai dela faz tudo que ela quer…
Uma das grandes emoções da minha vida foi ser escolhida por ela como madrinha em sua profissão de fé na igreja. Quando somos escolhidos para o batizado, os pais escolhem e é uma grande honra. Mas, quando a própria sobrinha escolhe, aí a emoção é muito maior. E ME escolheu, não o irmão da mãe dela. Aqui, em público, registro minha alegria com isso, viu, Popó?
Eu gosto de ver a amizade da Paulinha com a Eliane. Estão sempre juntas, fazem programas, malham, conversam. Muito legal. 
Toda a família curte a Popó. Ela é descolada, chique, charmosa. Até de chinelo e short ela chama a atenção. Linda de doer.
Popó, meu amor, você ocupa um lugar muito especial no meu coração, viu? Todos temos orgulho da menina legal que você é!

FRESCURAS

Amo frescuras com força, com muita força. Uma pessoa me disse, certa vez, que eu nasci para ter muitos luxos. Eu respondi que acredito que todas as pessoas nasceram para ter luxos. Era esse o plano de Deus. Mas o ser humano não sabe viver segundo os planos divinos, então…
Bem, mas vamos às frescuras. Massagens, banhos, cheiros, cremes, gente me paparicando. Ah, tudo isso é maravilhoso.
No dia das mães deste ano, meus filhos me deram de presente um pacote com várias massagens. Uma delas é o ápice a que cheguei nesse campo: primeiro, massagem relaxante com óleo no corpo todo. Depois, um óleo morno fica correndo na testa, e a massagista o puxa para o cabelo, para não ir para o rosto. Com isso, faz uma massagem deliciosa na cabeça e no cabelo. Ah, Bloguinho, acho que é uma sensação semelhante à de chegar ao todo do Everest. Não há nada acima.
Um dos lugares de que mais gosto é o hotel Ouro Minas, em Araxá. O hotel em si é bom, mas as Thermas (assim mesmo, charmosas, com Th) são o que há…
Já fiz vários tratamentos deliciosos lá. O campeão é a massagem com pedras quentes. Só de pensar me dá vontade de ir lá de novo. Eles esfregam a gente com as pedras e vão colocando umas, do tamanho certinho, nas palmas das mãos, nas solas dos pés e, enfim, o máximo dos máximos: uma pedrona quente no bumbum! Nem dá para imaginar o tanto que a gente relaxa com pedrona quente no bumbum. Só experimentando.
Tem o tradicional banho de lama. Da primeira vez, fui meio cabreira. Não aprecio lama, porém, quando em Araxá, faça como os “araxaenses”. Banho de lama nela. A lama não é LAMA. É uma coisa preta, meio oleosa, com perfumes. Eles põem a gente numa banheira com esse negócio. Você quase desmaia de tão bom que é. Depois, uma chuveirada e mais não sei quanto tempo em uma banheira com água morna. Depois, descansar numa cama cheia de cobertores. Como assim, descansar? Descansar do melhor descanso do mundo? Mas eles falam assim mesmo: descansar. Bem, descansei.
Tem o banho de leite com pétalas de rosa. O fundo da banheira é cheio de furinhos, e fica saindo um monte de bolhinhas de ar. Ai, ai… E o de aveia, a esfoliação, a aromaterapia…
Não sei quanto tempo eu ficaria naquele lugar, repetindo os tratamentos, antes de me cansar.
Faço assim: a gente chega, Sérgio vai para a recepção fazer o check-in e eu já corro para as Thermas, para marcar minhas frescuras. A maior dificuldade é escolher o que NÃO vou fazer.
Sabe aquele negócio de bem-estar? Araxá precisa entrar no circuito se a gente quiser encontrar esse tal de bem-estar. Ah, para quem não gosta de relaxar, o hotel tem todo tipo de esporte que você quiser, de hipismo a piscina, passando por quadras esportivas de toda qualidade.
Aqui entre nós, só frequentei até hoje a piscina e a pista de caminhada. No resto do tempo, THERMAS pra que te quero!
Ah, e não ganhei um centavo sequer para fazer propaganda.